Emagrecimento pelo método Pronokal: o que é e como funciona

Emagrecimento pelo método Pronokal: o que é e como funciona

O método Pronokal é um programa de perda de peso que tem como base uma dieta proteinada. Com controle médico fundamental, ele é personalizado de acordo com o organismo e hábitos do paciente, proporcionando uma perda de peso qualitativa, com sua manutenção a longo prazo.

Dividido em três etapas, desde o início o paciente já observa uma mudança significativa de seu peso, visto que consegue perder o excesso com muito mais rapidez do que numa dieta hipocalórica tradicional (dados do estudo ProKal). Para que o paciente não o recupere, o restante das etapas visa a uma mudança de hábitos alimentares e a uma adaptação do organismo a sua nova realidade.

O que é o método Pronokal de emagrecimento?

Antes de iniciar qualquer dieta, é preciso fazer uma avaliação médica para que sejam identificadas as necessidades do organismo e a sua capacidade em manter um programa restritivo de alimentação.

O Pronokal é um método espanhol de perda de peso, que promove uma perda rápida devido à restrição importante do consumo de carboidratos e açúcares. Dessa forma, o corpo inicia o processo de cetose, que “queima” a gordura estocada no corpo.

Engana-se quem acredita que o corpo fica debilitado sem esse tipo de consumo energético e dieta baseada em proteínas. As dietas hiperproteicas podem sobrecarregar o organismo, causando grandes prejuízos aos rins e ao fígado com o consumo desregrado de gorduras. Entretanto, com o método Pronokal, há um equilíbrio do consumo proteico, sem sobrecarga nos órgãos, ou seja, não é uma dieta com excesso de proteínas.

Como o programa é personalizado, há uma avaliação rigorosa do paciente para que não haja perdas de nutrientes nem sobrecarga dos órgãos, tornando a dieta saudável e eficiente na perda de peso com saúde. Tanto que as fases de manutenção são ainda mais importantes do que a perda de peso em si, já que para mantê-lo é preciso ter saúde e não se deixar abater pelas tentações e vícios alimentares.

Para a plenitude do tratamento, é preciso um acompanhamento multidisciplinar com endocrinologista, nutricionista, profissional em atividade física e especialista em coaching (reforço emocional), para que todo o processo seja realizado atendendo todas as áreas do paciente.

Quais são e como funcionam as etapas do método Pronokal?

As três etapas do método Pronokal devem ser seguidas com a mesma determinação e acompanhamento médico. Cada uma delas é essencial não só para a perda de peso, como também para sua manutenção e da saúde do organismo.

Segue abaixo como funciona cada uma delas:

1 – Etapa ativa

Nessa fase inicial do método, o paciente já fez todos os exames, avaliações médicas e tem um programa personalizado para seguir. Ele começa a ingerir uma dieta proteinada, que combina produtos proteicos de altíssimo valor biológico, suplementação de vitaminas e alguns alimentos rigorosamente definidos.

O paciente começa com quatro a seis refeições diárias, alimentando-se somente dos produtos da Pronokal e vegetais. A maioria dos produtos vêm em pó dentro de envelopes, a partir dos quais é possível preparar sopas, omeletes, crepes, salgados, sucos, cafés, chás, sobremesas, etc., além dos produtos prontos para consumo, tais como torradas, chips, biscoitos e iogurtes. Assim, o paciente pode dispor de diferentes texturas, consistências e sabores, que se ajustam às suas preferências pessoais e aos seus hábitos diários. 

É imprescindível o consumo mínimo de dois litros de água por dia para manter a hidratação. É consumida uma média de 10 gramas diários de gordura e, no máximo, 50 gramas de carboidratos. Frutas, doces, laticínios, massas, refrigerantes e bebidas alcoólicas, entre outros, são vetados ao consumo. Seguindo todas as regras, o paciente pode perder até 80% do peso estipulado para perda.

2 –  Etapa de Adaptação Fisiológica

Com a perda de peso grande, o paciente tende a ficar estimulado a manter o método, que agora tem introdução de novos alimentos na dieta. É importante que haja o consumo de alimentos variados, já que a dieta cetogênica não deve ser realizada indefinidamente.

Os hormônios corporais voltam a se estabilizar e o consumo de carboidratos em cereais, laticínios e frutas fica liberado, desde que com equilíbrio. Os alimentos são reincorporados à dieta de forma progressiva, com valorização de proteínas.

Nesta etapa, programa-se a perda do restante do peso, ou seja, 20% do peso excedente.

3 – Etapa de Manutenção

Depois da perda total do peso desejado, é hora de mantê-lo. Há um acompanhamento por até dois anos para que o paciente não saia do foco e mantenha seus índices. O paciente pode comer de tudo, porém consciente das quantidades, frequências e combinações entre grupos alimentares.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista e metabologista em São Paulo!

Posted by Dra. Mariana Reis Murin in Todos
Entrevista sobre diabetes gestacional

Entrevista sobre diabetes gestacional

É com bastante satisfação que divulgo a entrevista que concedi ao portal “O Mundo Mais Criança”, na qual falo sobre diabetes gestacional.

Diabetes gestacional é uma alteração na glicemia (açúcar) que surge durante a gestação e requer um acompanhamento médico cuidadoso, visto que pode trazer diversas consequências nefastas tanto para a futura mamãe, quanto para o feto. O ganho de peso recomendado durante a gestação varia conforme o trimestre, sendo menor no primeiro e um pouco maior no terceiro, quando a recomendação é de cerca de 400 gramas por semana. Existem alguns fatores de risco para esta condição.

Para saber mais, assista ao vídeo abaixo.

https://youtu.be/6fd_v1bEypk

Posted by Dra. Mariana Reis Murin in Todos
Qual o ovo de Páscoa ideal para sua saúde?

Qual o ovo de Páscoa ideal para sua saúde?

Com a proximidade da Páscoa, as lojas se enchem de ovos de chocolate.  As opções são tantas, que fica difícil escolher a melhor opção. É importante entender um pouco sobre os diferentes tipos de chocolate para ajudar na tomada da melhor decisão. O chocolate é um produto alimentício derivado do processamento de sementes de cacau e adição de múltiplos ingredientes, tais como açúcar e manteiga de cacau.

Tipos de chocolate

Chocolate ao leite é o preferido dos brasileiros, pois tem um sabor adocicado e textura cremosa. Contém algo entre 10 e 50% de massa de cacau, além de manteiga de cacau, leite e açúcar.

Chocolate amargo é composto por 50 a 90% de massa de cacau, manteiga de cacau e açúcar. Possui mais antioxidantes que os demais, sendo o mais saudável. Seu sabor é amargo em decorrência do reduzido teor de açúcar. Seria considerado adequado para o consumo das pessoas intolerantes à lactose, visto que não deveria conter leite. Entretanto pode haver contaminação com traços de leite durante o processamento, já que se costuma usar a mesma maquinaria para produzir tanto o chocolate amargo quanto o chocolate ao leite.

Chocolate meio amargo apresenta conteúdo de massa de cacau entre 35 e 50% de massa de cacau. Seu sabor amargo é mais suave devido a uma maior quantidade de açúcar, sendo uma alternativa para quem ainda não se adaptou ao sabor forte do chocolate amargo.

Chocolate branco não possui massa de cacau, sendo feito a partir da manteiga de cacau, açúcar e leite. Como não possui massa de cacau, não possui suas propriedades antioxidantes, além de ser rico em gordura, açúcar e calorias. Logo, seu consumo deve ser muito moderado, além de ser evitado pelos indivíduos com obesidade, diabetes e colesterol alto.

Chocolate diet tem os mesmos componentes do chocolate ao leite com exceção do açúcar (sacarose), que é trocado por adoçantes tais como o sorbitol e a sacarina. Apesar de ser considerado diet e adequado para o consumo por pessoas com diabetes, deve-se destacar que seu consumo também precisa ser moderado, já que o mesmo costuma possuir bastante gordura (adicionada para melhorar o sabor).

Orientações para pessoas com algumas condições médicas

Diabetes mellitus: doença em que há aumento dos níveis de açúcar no sangue. As melhores opções são o chocolate amargo ou diet.

Obesidade: doença em que há aumento excessivo do peso e, consequentemente, aumento da massa de gordura corporal. As melhores opções são o chocolate amargo ou meio amargo.

Dislipidemia: doença em que há aumento dos níveis de gorduras (colesterol) no sangue. As melhores opções são o chocolate amargo ou meio amargo.

Recomendações finais

Indivíduos saudáveis não têm restrição para escolher qualquer tipo de chocolate. Contudo, é importante lembrar que as opções mais saudáveis, de uma maneira geral, são os chocolates amargo e meio amargo, pois possuem maior quantidade de antioxidantes.  Os chocolates ao leite e branco devem ser consumidos com menor frequência e em pequena quantidade.

A quantidade recomendada para consumo diário de chocolate é de 30 g, ou seja, deve ser consumido com moderação, por se tratar de um alimento rico em calorias, cujo consumo excessivo pode aumentar o peso corporal e trazer outras consequências relacionadas à obesidade.

Agora que vocês já sabem como escolher seu ovo de chocolate, aproveitem o feriado e consumam chocolate com moderação! Boa Páscoa a todos!

 

Referências:

Site da Nutrition Source da Escola de Saúde Pública de Harvard, disponível em https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/dark-chocolate/

Marques, M. Artigo sobre Páscoa e diabetes. Disponível no site da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD): http://www.diabetes.org.br/publico/pascoa-e-diabetes/1622-pascoa-chocolate-e-diabetes

Site da Cacau Show, disponível em http://www.cacaushow.com.br/artigos/os-tipos-de-chocolate

Posted by Dra. Mariana Reis Murin in Todos
10 dicas para curtir o carnaval sem preocupação

10 dicas para curtir o carnaval sem preocupação

1) Esteja com a vacinação contra a febre amarela em dia.
Evite viajar para áreas de mata se não estiver vacinado contra a febre amarela há mais de 10 dias, pois é o período mínimo recomendado para que a proteção conferida pela vacina se desenvolva. De qualquer maneira, a vacina contra febre amarela não protege contra outras doenças transmitidas por mosquitos, tais como a dengue, febre Chikungunya e infecção por zika vírus, então, o uso de repelentes também é recomendável.

2) Proteja-se do sol.
Sempre use protetor solar no rosto para prevenção de rugas e câncer de pele. O uso de bonés ou chapéus também ajuda nesta proteção. Para formar vitamina D através da pele, é necessária a exposição solar com áreas de pele expostas e sem protetor solar. Geralmente, 15 a 30 minutos de exposição de braços e pernas por dia são suficientes, mas a formação de vitamina D ainda depende do tipo de pele e hora do dia, entre outros fatores. Caso haja um alto risco para câncer de pele, é necessário o uso de proteção solar e reposição de vitamina D a depender da avaliação clínica do paciente. Então, de uma maneira geral, exponha-se apenas uns poucos minutos do dia ao sol sem protetor solar.

3) Beba água.
Mantenha-se hidratado e evite urinar em locais públicos. Já orientei numa outra postagem sobre a importância da hidratação (veja aqui: https://www.facebook.com/marianareismurin/photos/a.344436112585520.1073741828.329427127419752/570076056688190/?type=3&theater). Em São Paulo, a prefeitura regulamentou uma multa de R$500,00 para aqueles que forem flagrados urinando nas ruas.

4) Evite o consumo de bebidas alcoólicas.
Se não for possível, beba com moderação! Lembre-se sempre de não misturar álcool e direção. Se beber, não dirija! Além disso, não pegue carona com motorista alcoolizado. Existem várias opções de transporte público: táxis, ônibus, solicitação de carro por aplicativos, etc. Não beba de estômago vazio, faça refeições leves. Não aceite bebidas de estranhos! Preze constantemente pela sua segurança e sua saúde, bem como não coloque em risco a vida de outras pessoas!

5) Não use drogas.
Não use substâncias que vão comprometer seu nível de consciência, sua segurança e a sua saúde! O uso de drogas pode torná-lo vulnerável ao ataque de pessoas mal-intencionadas.

6) Paquere, beije (se consentido) e respeite os outros.
Paquerar e flertar são permitidos, desde que não haja excessos e insistências diante de um “não”. Beijar e ter relações sexuais apenas estão liberados com consentimento de ambas as partes. Abuso sexual é crime, inclusive abuso de menores! Caso haja consentimento entre maiores de idade, use camisinha e seja feliz! Previna-se de uma gravidez indesejada e de doenças sexualmente transmissíveis.

7) Use roupas leves e sapatos confortáveis.
Para conseguir dançar e aproveitar ao máximo a festa, é importante estar adequadamente vestido e confortável.

8) Não pare de usar medicamentos de uso contínuo.
Lembre-se de que as doenças crônicas, tais como diabetes e hipertensão, não entram em remissão nos feriados! Evite misturar álcool com algumas medicações, tais como metformina, paracetamol, medicações que agem no sistema nervoso central e remédios para emagrecer, entre outras.

9) Cuidado com o que come na rua.
Evite comprar comida de vendedores ambulantes. Entretanto, se não tiver jeito, verifique se as condições de higiene e de conservação são adequadas. Em altas temperaturas, o risco de deterioração e contaminação dos alimentos é maior. Esteja sempre alerta para não terminar com a sua festa mais cedo devido a uma intoxicação alimentar ou infecção. Boas opções para manter o pique nos dias de folia são os carboidratos integrais e frutas (secas e frescas), além de evitar alimentos gordurosos.

10) Fique atento aos seus pertences e não saia de casa sem documentos.
Cuidado com o uso de celular no meio de multidões. Previna-se de roubos e furtos.

Caso não goste de folia, aproveite o feriado para ler um bom livro ou assistir a um filme legal.

Gostando ou não de carnaval, desejo um ótimo feriado a todos!

Posted by Dra. Mariana Reis Murin in Todos
Síndrome Metabólica

Síndrome Metabólica

O termo síndrome metabólica engloba um grupo de fatores de risco que aumentam as chances do desenvolvimento de doença cardiovascular (infarto, derrame) e diabetes tipo 2. Dois pontos fundamentais são a obesidade abdominal e a resistência à insulina. Os critérios diagnósticos variam um pouco dependendo da entidade que se usa como referência, irei mencionar aqui os mais utilizados, que são os da: OMS (Organização Mundial de Saúde), IDF (International Diabetes Federation – Federação Internacional de Diabetes) e NCEP ATPIII (National Cholesterol Education Program – Programa Nacional de Educação em Colesterol), sendo avaliados: obesidade/circunferência abdominal, glicemia de jejum, pressão arterial, triglicerídeos e HDL-colesterol.

Considera-se que a síndrome metabólica está presente quando existem 3 ou mais critérios, os quais estão detalhados na tabela. Para a OMS, considera-se obrigatória a alteração glicêmica mais 2 outros critérios, sendo que a alteração nos triglicerídeos e HDL conta como apenas um critério. Para a IDF, o critério considerado obrigatório é a obesidade/circunferência abdominal mais 2 outros critérios. Para o NCEP, não há critério obrigatório, sendo definida pela presença de, no mínimo, 3 dos critérios.

No mundo, um quarto dos adultos têm síndrome metabólica, sendo 3 vezes mais propensos a ter um ataque cardíaco ou derrame e 2 vezes mais propensos a morrer por esses motivos em comparação aos indivíduos sem a síndrome. Pessoas com a síndrome têm 5 vezes mais chance de desenvolver diabetes tipo 2. Mundialmente, até 80% dos 200 milhões de portadores de diabetes irão falecer por doença cardiovascular. Tudo isso coloca a síndrome metabólica e o diabetes muito à frente da AIDS em termos de morbidade e mortalidade, apesar do problema não ser bem reconhecido.

Os seguintes fatores aumentam o risco de apresentar a síndrome: sobrepeso (índice de massa corpórea – IMC ≥25 kg/m2), menopausa, avanço da idade, tabagismo, dieta rica em carboidratos, sedentarismo, história familiar de diabetes ou de síndrome metabólica.

O tratamento da síndrome metabólica visa reduzir ou eliminar os problemas subjacentes através da perda de peso, abandono do sedentarismo e cessação do tabagismo. Além disso, caso a mudança do estilo de vida não seja suficiente, deve-se tratar os fatores de risco cardiovascular, tais como pressão arterial elevada, hiperglicemia e colesterol/triglicerídeos altos.

A maior parte dos indivíduos que apresenta a síndrome metabólica se sente bem e não exibe sintomas. Contudo, eles possuem um risco elevado para o desenvolvimento de doenças graves, como o diabetes e as doenças cardiovasculares. Logo, é extremamente importante o acompanhamento com um médico endocrinologista a fim de prevenir as complicações associadas, bem como para um tratamento adequado.

Fontes: SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia); Up To Date (www.uptodate.com); IDF (International Diabetes Federation); http://laboratorioduarte2014.masterix2.com.br/uploads/laboratorio_duarte_2014/arquivos/julho-2015-definicao-sindrome-metabolica.pdf

Posted by Dra. Mariana Reis Murin in Todos